CORDAS DA INJUSTIÇA

CORDAS DA INJUSTIÇA

 

Ai dos que puxam para si a iniquidade com cordas de injustiça e o pecado, como com tirantes de carro!” (Isaías 5:18).

 

A NTLH traduz assim este texto sagrado: “Ai dos que se amarram aos seus pecados com mentiras! Eles andam arrastando a sua maldade como quem puxa um carro”. Há lições preciosas no texto acima. Vejamos algumas:

Primeira, os pecados são como cordas que aprisionam quem os comete. O pecado aprisiona. O pecado amarra. O texto diz: “Ai dos que se amarram aos seus pecados”. O pecado tem o poder de aprisionar. O lamento do profeta é um alerta: “Ai dos que se amarram ao pecado”. Um pecadinho hoje pode significar prisões amanhã.

Segunda, a injustiça e a mentira são cordas que aprisionam. Injustiça e mentira andam de mãos dadas. Por detrás de uma injustiça há sempre mentiras. A mentira provoca injustiças.Mahatma Gandhi captou bem o poder devastador de uma única mentira quando disse: “Assim como uma gota de veneno compromete um balde inteiro, também a mentira, por menor que seja, estraga toda a nossa vida”.

Terceira, a prática da injustiça é um peso enorme para quem pratica. O texto diz: “Eles andam arrastando a sua maldade como quem puxa um carro”. O pecado aprisiona e pesa muito. A injustiça tem um peso enorme. As cordas da injustiça aprisionam e pesam. É difícil carregar o fardo da injustiça.

No poema de Joanna Andrade Da Mentira à Injustiça é dito: “Da mentira à injustiça – um passo apenas para o crime”. A mentira está entre as cordas da injustiça que tem aprisionado muitas pessoas. Que o Senhor nos ajude a romper as cordas da injustiça provocadas por mentiras.

 

ORAÇÃO: Querido Deus, livra-me das amarras do pecado. Ajuda-me a falar somente a verdade.

CUIDADO COM AS LENTES

CUIDADO COM AS LENTES

“Não julgueis segunda a aparência, e sim pela reta justiça” (João 7:24).   

Conta-se que certa vez uma mãe saiu para ir ao mercado e, de repente, voltou às pressas para dentro de casa, gritando:

- Filho, rápido, ajude-me a tirar a roupa do varal, pois vai chover!

Mais do que depressa o filho pulou da poltrona e acompanhado de sua mãe foram ao varal e começaram a recolher a roupa, ainda molhada. No entanto, o filho resolveu dar uma olhadinha para o céu e foi logo perguntando a sua mãe:

- Mãe, o céu está limpo, sol forte e não há nenhuma nuvem se formando. Acho que não vai chover, não.

Foi só nesse exato momento que a mãe percebeu que estava de óculos escuros.

As lentes que usamos para fazer leituras da realidade que nos cerca podem causar embaraços. No texto sagrado acima há lições preciosas a esse respeito. Vejamos:

Primeira, as aparências enganam. Julgar pelas aparências é um risco enorme. Muitas injustiças têm sido cometidas ao longo da história por causa do julgar pelas aparências. Cuidado com as lentes da precipitação. Cuidado com as avaliações superficiais. Cuidado para não julgar pelas aparências.

Segunda, à luz do texto sagrado os julgamentos não estão proibidos, mas quando forem necessários que sejam norteados “pela reta justiça”. Justiça torta não é justiça. Justiça torta é injustiça. Não julgue pela aparência, mas pela essência. Cuidado com as lentes que você está usando para julgar as pessoas.

A precipitação é amiga íntima da injustiça.  A esse respeito, alguém fez uma indagação mais do que oportuna: “E se você ficasse cego, continuaria julgando as pessoas pela aparência? ”

 

Oração: Querido Deus, livra-me de julgar pelas aparências. Dá-me serenidade e discernimento para usar as lentes da justiça.

 

PARCIALIDADE NO JULGAR É PECADO

PARCIALIDADE NO JULGAR É PECADO

 

“Não farás injustiça no juízo, nem favorecendo o po­bre, nem comprazendo ao grande; com justiça julgarás o teu próximo” (Levítico 19:15).

 

Madre Teresa de Calcutá certa ocasião disse: "Quem jul­ga as pessoas não têm tempo para amá-las”. Concordo, no en­tanto há momento em que o julgamento é inevitável, especial­mente àqueles a quem Deus constituiu por autoridade para jul­gar. No texto acima há dois princípios que devem prevalecer na emissão de juízo de valor. Vejamos:

Primeiro, a injustiça jamais deve prevalecer. O texto diz: “Não farás injustiça”. Deus é justo e qualquer forma de injustiça está na contramão daqueles que amam a Deus. Quem ama a Deus tem prazer em obedecer a esse imperativo: “Não farás injustiça”.

Segundo, seja imparcial. Não favoreça os humildes, nem procure agradar os poderosos, antes julgue, quando for o caso, balizado na imparcialidade. A parcialidade desagrada a Deus. Não importa se a causa se refere a pobres ou ricos a justiça no juízo deve prevalecer.

No texto há dois imperativos, um na forma negativa e ou­tra na forma positiva: “Não farás injustiça” e “com justiça julga­rás o teu próximo”. Não há meio termo. Julgamos baseados na justiça ou injustiça. Como disse Theodore Roosevelt: “A justiça não consiste em ser neutro entre o certo e o errado, mas em descobrir o certo e sustentá-lo, onde quer que ele se encontre, contra o errado”.

 

Oração: Querido Deus, livra-me de emitir juízo de valor ou julgar alguém baseado na parcialidade e injustiça.

AFINS

Ciências pagina 162 à 164

Artes pesquisa

A RESPONSABILIDADE COM O PASSADO

A RESPONSABILIDADE COM O PASSADO

                                                        

“mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo” (Filipenses 3:13,14).

 

O famosíssimo estadista britânico e primeiro-ministro do Reino Unido durante a Segunda Guerra Mundial Winston Churchill disse certa ocasião: “Quanto mais longe você conseguir olhar para trás, mais longe você verá para frente”. O texto sagrado acima acrescenta outras verdades sobre a relação passado e futuro. Vejamos:

Primeira, esquecer as coisas que ficaram para trás é uma questão de decisão. O apóstolo Paulo diz:“uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam”. Ninguém pode esquecer o passado por você. É de nossa responsabilidade esquecer o passado ou dar o tratamento devido a ele.

Segunda, esquecer o passado impulsiona a avançar. Quem não consegue esquecer o passado fica paralisado. Esquecer o passado e avançar para o futuro guarda estreita relação. Ninguém avança preso ao passado. “Não importa quantos passos você deu para trás, o importante é quantos passos agora você vai dar pra frente”.

Como tratamos o passado determina para onde estamos indo para o futuro.

 

ORAÇÃO: Querido Deus, ajuda-me a dar o tratamento correto ao passado. Ajuda-me a olhar para o passado como um estímulo para o meu futuro.

O que dizem sobre nós

Só uma escola com uma excelente estrutura, pode oferecer o melhor para nossos filhos, estrutura essa, tanto em suas instalações, quanto acadêmica e espiritual. Ricardo Luis

"Eu gostei de aprender de forma prática sobre os paralelos e meridianos. Eu gostei de fazer a bola com a minha mãe, usando barbante, cola de isopor e alfinetes".  Ana Cecília - 6º ano A

«
»